Nesta terça -feira, 17, às 9h30, cerca de 300 famílias ex-moradoras da Comunidade Quaresma Delgado, do Parque São Rafael, localizado na Zona Leste de São Paulo vão realizar um protesto em frente à Caixa Econômica Federal (CEF) da praça da Sé.

As famílias travam uma luta incansável desde de 2014, quando foram removidas de uma área de risco pela prefeitura de São Mateus, às margens do Córrego Cipoaba.

Apesar de terem assinado seus contratos entre 12 e 14 de junho de 2021 com a promessa de logo se mudarem para o Condomínio Forte da Ribeira, n°200, construído no Bairro Parque São Lourenço, as famílias não foram autorizadas a se mudar para os apartamentos, correndo grande risco do espaço ser invadido e todos perderem assim o direito de mudar para lá, mesmo já tendo escolhido o apartamento e assinado o contrato.

O problema não para por aí: famílias que já estavam aprovadas foram submetidas a fazer nova análise de seus dossiês, sendo que já estavam com seus documentos regularizados, causando grande sofrimento e frustação às famílias que por anos aguardam sua moradia digna.

Questões burocráticas envolvendo a Secretária Municipal de Habitação (SEHAB), CEF e Ministério do Desenvolvimento impedem as mudanças. A situação é inusitada. Algumas famílias já começaram a pagar suas prestações pelos imóveis que estão vazios.

Segue abaixo carta aberta dos moradores e documento do Ministério do Desenvolvimento.   

Famílias podem ter que pagar prestações sem autorização de mudança.

Mais um absurdo vem ocorrendo na longa batalha dos ex-moradores da Comunidade da Quaresma Delgado, no Jardim São Rafael, na Zona Leste de São Paulo.

Depois da luta para agilizar a assinatura dos contratos de suas unidades habitacionais, no conjunto Forte da Ribeira e depois de uma parte das famílias serem obrigadas a passar por uma nova avaliação da Caixa, agora um novo problema se aproxima:  *as famílias temem serem obrigadas à pagar pela prestação das unidades habitacionais sem estarem em seus apartamentos*. 

Sem autorização para mudança, pela Caixa e Sehab, e ainda fora de seus apartamentos, as suas prestações podem chegar a qualquer momento.

As famílias da Comunidade Quaresma Delgado travam uma luta incansável, desde 2014, quando foram removidas pela Subprefeitura de São Mateus de uma área de risco nas margens do Córrego Cipoada no Jardim São Rafael. 

Naquele período, as famílias foram cadastradas pela Sehab e incluídas no programa de auxílio aluguel, com a promessa que morariam no conjunto habitacional do Forte da Ribeira, do Programa Minha Casa, Minha Vida, no entanto, sem que soubessem, foram excluídas pela Sehab do atendimento habitacional. 

Diante do risco de perderem suas casas,  os moradores iniciaram grande mobilização e com o apoio do Conselho Municipal de Habitação, a Sehab autorizou retorno das famílias ao atendimento original. 

Depois de muita luta, 300 famílias foram selecionadas para o empreendimento Forte da Ribeira, os contratos foram assinados nos dias 12/13/14/07/2021, no entanto, as famílias não obtiveram a autorização para a mudança, até o momento.

Estas famílias, que contam com o apoio da Coletivo de Favelas da União dos Movimentos de Moradia e do Escritório Modelo da PUC, esperam que a autorização de sua mudança chegue antes dos primeiros boletos de cobrança das prestações dos apartamentos, porque seria um absurdo muito grande ser obrigado a pagar por um local que não se está morando. 

São Paulo, 29 de julho de 2021

Comissão de Moradores da Comunidade Quaresma Delgado 

Coletivo de Favelas da União dos Movimentos de Moradia