A União dos Movimentos de Moradia de São Paulo (UMM-SP) voltou, após uma semana, às ruas do Centro de São Paulo para lutar pela construção de 100 mil unidades por ano pelo programa Minha Casa Minha Vida Entidades (MCMV-E). Nesta quinta-feira (22/11), os Sem Teto também defenderam a retomada da construção da política nacional de habitação, com investimentos em urbanização de favelas e regularização fundiária, assistência técnica e melhoria habitacional. O ato retoma a agenda de mobilização do dia 13/11, quando a UMM esteve nas ruas de São Paulo, SP, para exigir do Governo Federal o cumprimento das promessas de contratação de novas unidades do MCMV-E. Nesta quinta, os manifestantes saíram em marcha até a Superintendência Regional da Caixa Econômica Federa, e seguiram para a Secretaria de Estado da Habitação de São Paulo e para a Prefeitura de São Paulo.

Em âmbito estadual, a UMM-SP exige a concretização dos aportes nos empreendimentos do MCMV Entidades e também uma manifestação sobre a não utilização do terreno do Belém. Para a Prefeitura, as reivindicações são a destinação dos terrenos já comprometidos com os movimentos, aprovação de projetos, isenção de IPTU e garantia das contrapartidas municipais no MCMV Entidades.