baner
   

  Início Documentos UMM Relato do Seminário de Contratos do Fundo Municipal de Habitação
large small default
Relato do Seminário de Contratos do Fundo Municipal de Habitação PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Terça, 07 Abril 2009 05:17
O Seminário ocorreu no dia quatro de abril de 2009 e reuniu trinta e dois mutirões: City Jaraguá – Oeste, Jd. Celeste 2 – Sudeste, Celso Garcia – ULC, Pires do Rio – Leste 2, Jd. Ivone, Sítio Conceição – Leste, Recanto dos Humildes – Oeste, Jd. Celeste 1 – Sudeste, Apuanã União do Povo – Norte, Unidos Venceremos – Leste 1, Apuanã Juntos Venceremos – Norte, Apuanã Chico Mendes – Norte, Apuanã João de Barros – Norte, Vista Linda – Oeste, Imaculada – Oeste, Santa Marta – Oeste, São Francisco – Leste, Bela Vitória – Oeste, Recanto da Felicidade – Oeste, Morada do Sonho – Oeste, Margarida – Leste 1, Portal São Marcos – Oeste, São Francisco setor V – Leste, Paulo Freire – Leste 1, 26 de julho – Leste 1, Lagoa Higienópolis, Che Guevara –Leste, Nova União.

Assessorias Técnicas presentes: Usina, Grão e Peabiru

1ª Mesa

Medidas Jurídicas e administrativas em defesa dos mutirões

Edilson Mineiro

Inicia apresentando a situação atual dos mutirões:
- 7 em construção e 14 mil pessoas que já estão morando

O que queremos?

Que a comercialização das unidades habitacionais seja realizada com valores justos e venha acompanhada de um plano de regularização fundiária dos conjuntos, para que ao final dos pagamentos, possam ser concluídas as obras e registrada a escritura pública dos imóveis.

A PMSP não tem o que dizer da regularização dos mutirões porque não era e não é a sua prioridade e por isso não estruturou o departamento para concretizar essa ação.

O que é Regularização Fundiária?

Quem mor nos conjuntos habitacionais, mas não tem escritura tem a posse do terreno, mas não a propriedade. Sem a propriedade registra não é possível dar o imóvel em garantia em financiamento ou conseguir que a CEF financie material para reforma etc..

Porque os mutirões não tem escritura?

  • A PMSP desapropriou uma área, mas não terminou o processo;
  • A PMSP não aprovou o “desenho” do bairro e o tipo de construção;
  • O convênio não foi encerrado por algum problema burocrático ou financeiro;
  • A PMSP construiu em áreas verdes ou instituições e não realizou a desafetação das áreas;
  • A terra não tem uma área identificada e definida.

Quais são as medidas que já foram tomadas?

· Foram recolhidas as informações junto ás associações sobre as condições de cada empreendimento e recolhidas cópias de documentos;

· Foi aprovada a Res. 37 do FMH. Com esta regra todos os mutirões seriam comercializados pelo valor de 60 sm 9ou seja, R$ 27.900,00 em 300 prestações mensais de 20% do sm ou R$ 93,00);

· As questões dos contratos foram encaminhadas para a Defensoria Pública nas duas jornadas da moradia em reuniões específicas.

Na contramão veio o programa do governo federal Minha Casa Minha Vida coloca que a cobrança será de 10% sm no valor de R$ 50,00 por 10 anos. Isso gerou um problema para o Kassab.

Mas não podemos esquecer que a Res. 37 foi uma conquista do nosso movimento e dos conselheiros de habitação.

Mutirões que já aderiram: Bela Vitória / Cj Res Vista Linda / Condominio Santa Marta / Imaculada Conceição - João XXIII / Movimento Unido / Paulo Freire / Por do Sol / Recanto das Estrelas / City Jaraguá / Res Recanto da Felicidade / Res Vila Nova Cachoerinha / Unidos Venceremos Leste 1 / Vila Bela / Portal São Marcos /Nova União / Vila Nova Cachoeirinha / Pires do Rio

Cerca de 1960 famílas –

Questões que serão defendidas por meio judicial;

  • Quem vai propor a ação? A UMM-SP em nome das associações mutirantes que participaram das atividades;
  • O direito à Regularização Fundiária já tem sido assegurado por meio de diversas decisões judiciais. O entendimento dos juízes, em diversos casos, é o de que existe um dever do poder público em regularizar.

Obs.; A condenação da PMSP na realização das obras de infra-estrutura remanescente, a MP 459/09 (Programa Minha Casa Minha Vida) reforçou esta obrigatoriedade no art. 59 e parágrafo único.

O direito ao contrato adequado.

Contrato adequado é aquele elaborado de acordo com o CDC e com a função social do contrato.

Além da ação judicial também é importante lutar contra o novo PD e o PLHIS do Kassab. A proposta retira os princípios do E.C., as políticas setoriais, os instrumentos dos vazios urbanos que modifica o conceito de ZEIS, permitindo que a especulação imobiliária avance sobre o pouco de terra livre que ainda existe na cidade.

Devemos lutar para que essa agenda seja prioridade na política pública da cidade.

Edílson encerra a exposição agradece a oportunidade de propiciar o debate e abre para o plenário fazer os questionamentos.

Atuação Ministério Público na Regularização Fundiária os mutirões em São Paulo

Dra Claudia Berê – Promotoria de Habitação e Urbanismo do Ministério Público de SP.

Dra. Claudia Berê agradece o convite e inicia a exposição dizendo que a atuação do MP em relação aos contratos, ainda não foram provocados sobre o tema, solicita que nós avaliemos se é devido a provocação.

Informa que o MP entrou com uma ação solicitando a PMSP que todos os mutirões realizados pelo FUNAP’s fossem regularizados.

Solicita que façamos uma varredura para verificar com anda esse processo (afirma que em alguns casos a COHAB não conseguiu encaminhar por falta de documentação).

Acha que a COHAB assinou o Termo de Ajustamento de Conduta se responsabilizando a realizar a regularização fundiária das áreas solicitadas pelo MP (diz não ter a lista em mãos, mas comprometeu-se em verificar).

Contrato é importante para garantir a propriedade.

Idoso – informa que a Promotoria abriu 2 casos com auxílio de uma circular Susepe sobre limite de idade – soma financiamento + idade não pode estar acima de 80 anos e 6 meses. Essa circular garante que em cada empreendimento 3% não tenha limite de idade

- negociação tem que ser coletiva, mas deve prever os casos específicos.

- verificar os contratos existentes, estudar e propor ;

- usucapião deve ser utilizado em casos que não tem jeito, pois é uma ação demorada. Usucapião coletivo nasce no E.C. processo novo para justiça.

Função Social do Contrato. Os direitos dos mutirantes

Miguel Reis – Secretário de Politica Urbana de Suzano – Advogado

Agradece o convite feito pela coordenação da UMM para discutir esse tema que não é novo para nós.

Indaga-nos: Quando será que agente consegue resolver esse problema que envolve milhares de famílias?

O contrato apresentado não resolve a questão fundiária. Por ex.; o governo federal através M.Cidades traz uma proposta de regularização fundiária. São Paulo apesar de existir uma lei importante que não é aplicada, hoje com a MP do governo Lula nós temos como viabilizar esse processo de regularização através das associações.

O movimento precisa criar mecanismos para que nós façamos a R.F;

Estamos a 19 anos sem contrato, então, qual o motivo de tê-lo sem a regularização fundiária? Nenhum. Então, precisamos lutar que primeiro se faça a regularização fundiária.

Vila bela, por exemplo, é uma área impossível de ser regularizada, pois a área esta em divisa com dois municípios São Paulo e são Caetano.

Contrato possui uma cláusula – alienação fiduciária que significa pedir empréstimo para alguma coisa e o bem fica alienado.

Fhc propõe esse mecanismo para aquecer o mercado imobiliário.

Qual o problema desse instrumento? Só beneficia o poder público, até porque se mutuário deixar de pagar a posse passa a ser do agente fiduciário e o morador deverá sair do imóvel em 60 dd. Nessa modalidade o mutirante fica desprotegido.

Por isso, o caminho é exigir que a Regularização Fundiária seja feita. É uma responsabilidade de todos (Estado, cartório de imóveis e MP)

Tarde

- Oficina: Sistema Financiamento: Paulo da Assessoria Grão.

- Paulo elaborou cartilha para que os movimentos compreendam o que a COHAB esta propondo no sistema financiamento.

SAC/SACRE amortizações decrescente

PRICE – constante ( valor financiamento dividir em parcelar, porém a diferença está no juros /saldo devedor diminui mais lentamente em relação ao SAC e SACRE.

Vantagem: prestação inicial menor em relação a calculada pelo SAC e SACRE.

A Cohab diz que não cobra juros mais com certeza, esta incluído no valor das parcelas

Tabela PRICE é boa porque permite incluir maior número de pessoas no sistema, porém existe o risco que é a garantia da saúde financeira do país, ou seja, manter inflação e incidência de juro baixo.

Caba aos mutuários da Cohab apenas SAC ou PRICE.

Risco: Inadimplência não corrige apenas a multa das prestações vencidas, também irão corrigir o saldo principal. Juros computados pelo valor do financiamento.

Reajuste é anual. Se há saldo devedor será embutido nos valores a serem pagos.

Quem não consegue comprovar capacidade de endividamento, acaba assinando o contrato T.P.U. (que é um eterno aluguel pra Cohab).

Índice utilizado de reajuste da Cohab INCC (que no final do ano/08 estava em 13%) da construção civil (planilha de custos de material construção)

Temos que negociar: índice de correção (ex FIPE, IGPM) e garantir que o juros seja zero ou mínimo. Seguro deve ser negociado.

Dr. Carlos Loureiro – Defensor Público,

Esclarece que gostaria de estar com algumas informações, mas não conseguiu conversar com a diretoria jurídica da Cohab.

Coloca que a medida adotada pela Cohab através do plano mil é violador dos direitos da população de baixa renda garantidos no E.C.

A solução desse plano é de mão única, ou seja, para Cohab que se encontra numa situação semifalimentar, sem estrutura e como não consegue cumprir suas obrigações, colocam a responsabilidade nos usuários que não pagaram. Plano mil é uma proposta de refinanciamento (compra casa de novo) e se o mutuário aceitando e não cumprir com o pagamento existe há clausula garante o despejo. Plano mil desafia princípios de Política Habitacional.

- A Cohab pretende cobrar as prestações sendo que ela não cumpriu com o seu dever.

A defensoria pública é parceira mais precisamos achar caminhos que não implica na mobilização.

Evaniza, Izilda e Sidnei CMH– esclarece: são dois caminhos a percorrer 1º valor financiamento x contrato e regularização fundiária.

O movimento encaminhou e o CMH consegue equacionar o valor da UH através da Res. 37 (juros O e o índice de correção FIPE);

Proposta de alteração da Res. 32 em relação aos contratos (garantindo uma clausula onde não tivesse Regularização que estabelecesse tempo, prazo para realizar)

Nesse meio tempo a COHAB desconsiderou o processo de discussão da Res. 37 e apresenta uma tabela com os valores estabelecidos na Res. 32.

Neste momento estão suspensas novas comercializações dos recursos do FMH até qu se chegue à solução do impasse..

Solicitamos a Dra Claudia Berê a TAC que MP obriga a Reg. Fund. De alguns conjuntos habitacionais.

Ressalta a importância das resoluções e diz que alterando a Res. 32 atende-se a diversidade dos conjuntos. Queremos a Reg. Fund. Com um contrato com uma cláusula que garanta a propriedade.

Encaminhamentos de mobilização

Realizar assembléias nos conjuntos informando da discussão realizada

Participar da Atividade na Prefeitura no dia 30 de abril e incluir o tema na pauta

Discutir a importância, trabalhar e eleger o novo CMH

Participar nas mobilizações contra a Revisão do Plano Diretor, garantindo os princípios do direito à moradia

Participar das discussões do Plano Municipal de Habitação

Audiência Pública na Câmara – 5/10

Fazer reunião periódica do Grupo de Trabalho – 18/04 – 14 hs.

Fazer um grande ato na entrega da Ação Judicial

Encaminhamentos jurídicos

Completar o quadro dos mutirões da UMM, incluindo o valor da terra.

Estudar a ação do MP e o TAC sobre regularização para fazer a proposta de ação(ões) judicial

Rever questão da incidência de INSS sobre as obras

Propor uma mesa de negociação com Mutirões, MP, Defensoria, Prefeitura

Propor ação judicial – prazo máximo 5/out/09

Encaminhamentos CMH

Garantir a aplicação da Resolução 37

Reformular a Resolução 32

Retirar alienação fiduciária

Índice de correção

Seguro desemprego / seguro para idoso

Incluir a previsão de regularização nos contratos

Solicitar “mapa da regularização” dos conjuntos do FMH

Vereadora Juliana Cardoso - PT colocou o mandato a disposição e propôs a realização de uma Audiência pública no dia da entrega da ação judicial.

Próxima reunião do GT dia 18/04, ás 14h no Belém. Lembramos que antes dessa reunião os mutirões que não encaminharam as fichas deverão entregar na secretaria da UMM.

Actualizado em Quarta, 28 Outubro 2009 08:02